Avaliações dos clientes

Avaliado no Brasil em 22 de setembro de 2017
A editora 34 está de parabéns pelos seus lançamentos na literatura clássica (Sexto Propécio, Ovídio, Safo...).
É uma questão de justiça, depois de tantos anos, colocarem a tradução de Carlos Alberto Nunes em circulação novamente. Com o capricho que ela merece.
Se compararmos a tradução da Eneida com a Odisséia (do mesmo C. A. Nunes), percebemos que epopéia de Virgílio perde em fluência. Mas a comparação é injusta, tendo em vista o caráter da oralidade presente na obra de Homero. O épico de Virgílio foi uma obra sedimentada essencialmente na escrita.
Na Eneida o tradutor optou pelo hexâmetro (a sua versão do hexâmetro clássico para o português). Ao meu ver este é um dos grandes diferenciais das traduções de Nunes, pois a maioria dos tradutores opta pelo decassílabo. O hexâmetro de Nunes é longo, ideal para a poesia narrativa e, ao mesmo tempo, a marcação nas sílabas fortes promove um ritmo contagiante.
As notas são de grande utilidade, seja para dirimir partes de leitura difícil ou para situar melhor o leitor no contexto da aventura.
Antes de cada canto há um resumo, que serve como roteiro de leitura.
Esta é a tradução que há muito sonhei para a Eneida. Dá para, finalmente, sentir Virgílio próximo à nossa língua, com todo seu esplendor - poder narrativo e lírico.
75 pessoas acharam isso útil
Informar abuso Link permanente

Detalhes do produto

4,9 de 5 estrelas
4,9 de 5
399 classificações globais