Avaliações de clientes

Avaliado no Brasil em 7 de janeiro de 2022
Logo nas primeiras páginas eu fiquei me perguntando se estava lendo um romance ou a última edição da revista Capricho. Para cada situação da vida da personagem tinha uma referência à cultura pop e/ou lgbt+. Era como se o autor tivesse querendo encher linguiça porque não sabia o que escrever. A premissa é boa, mas ao decorrer da história eu me perguntava: "por que continuo lendo?"
O casal não traz nenhuma emoção. Romance pela primeira vista é a coisa mais chata do mundo se você não conseguir desenvolver bem. É como se tomasse spoiler de um filme de mistério e por conta disso perdesse todo o encanto.
Os diálogos podem ser encontrados em qualquer livro meia boca de autoajuda. O Pierre parece um coache chato que pra tudo tem uma frase motivacional.
Os conflitos são mal desenvolvidos ou simplesmente não existe. O protagonista sofrendo por alguém que não conhece e fica de mal com o melhor amigo por conta de um acidente. Sério, querido?
Uma coisa que me incomodou bastante é o autor querer colocar no mesmo nível astrologia e ciência. Ele vem com aquela mesma desculpa de sempre: "o pensamento racional tenta negar tudo que não pode ser explicado cientificamente". Meu c*!!!. Tudo bem você acreditar em astrologia, mas trate ela como ela realmente dever ser tratada, com o misticismo.
11 pessoas acharam isso útil
Informar abuso Link permanente